Setembro amarelo: Depressão, ansiedade e nutrição

Scroll down to content

Vivemos em um mundo acelerado, estamos cada vez mais conectados virtualmente e afastados da realidade. Metas, prazos, horários, fazem parte da rotina de muitas pessoas, atualmente. Embora isso pareça positivo, no meu ponto de vista se tornou algo negativo. Nunca fomos tão ansiosos e depressivos. Aproveitando o mês de setembro que se inicia, achei bacana produzir um artigo falando sobre o setembro amarelo, a depressão, ansiedade e como a nutrição pode ser de grande valia.

Sua curiosidade foi aguçada? Então não deixe de ler o conteúdo a seguir.

Setembro amarelo, o que é?

O setembro amarelo é uma campanha que visa prevenir o suicídio. Ela teve início no ano de 2015 e é uma iniciativa do CVV – Centro de Valorização da Vida, do CFM – Conselheiro Federal de Medicina e da ABP – Associação Brasileira de psiquiatria. Escolheu-se o mês de setembro, pelo fato de que, desde o ano de 2003, o dia 10 de setembro é considerado o dia mundial de prevenção do suicídio. Dentre as principais causas do suicídio podemos citar a depressão e a ansiedade.

Compreendendo a depressão e a ansiedade

A depressão é um distúrbio de ordem emocional, que se caracteriza principalmente por um estado de tristeza e baixa autoestima que pode ter início por uma série de fatores. A depressão causa alterações químicas cerebrais, fazendo com que neurotransmissores não sejam produzidas de forma satisfatória. Dentre esses neurotransmissores podemos citar a serotonina, noradrenalina e dopamina, que são compostos capazes de transmitir impulsos nervosos entre os neurônios.

Os principais sinais de depressão são:

  • Apatia;
  • Falta de motivação;
  • Aumento ou perda de apetite;
  • Presença de medos e aflições que não existiam;
  • Angústia;
  • Dificuldade de concentração;
  • Irritabilidade;
  • Insônia.

Já ansiedade é um sentimento/sensação de desconforto. Popularmente podemos colocá-la como uma apreensão desagradável que pode surgir por conta de um perigo real ou então imaginário. A ansiedade leva seu(sua) portador(a) a querer resolver determinada situação o mais rapidamente possível, aumentar seu grau de vigília e alterar sua capacidade de pensar e agir. O sentimento de ansiedade se torna patológico quando impedem a pessoa de levar uma vida normal, trazendo alterações em sua rotina, assim como em seu bem-estar pessoal e profissional.

Os principais sinais dessa condição são:

  • Inquietação;
  • Preocupação excessiva;
  • Sudorese;
  • Dor de estômago;
  • Arritmias;
  • Dores no peito.

Números da depressão e ansiedade no Brasil e no mundo

Vivemos uma epidemia de depressão e ansiedade em todo o mundo.  De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, nos últimos dez anos, os casos de depressão aumentaram quase 20% em todo o globo, o que corresponde a aproximadamente 320 milhões de pessoas, cerca de 4,5% da população do planeta. No Brasil, 5,8% das pessoas são depressivas, trata-se de maior taxa da América Latina.

Quando sem fala em ansiedade, os números são ainda piores. Levando em consideração os dados divulgados mais uma vez pela OMS, o Brasil é o país mais ansioso do mundo, com 9,3% de toda a população, ou seja, pouco mais de 18,5 milhões de pessoas ansiosas.

ansiedadepressaonutricao

Causas

Tanto a depressão quando a ansiedade, possuem causas multifatoriais. De acordo com especialistas, os principais motivos para desenvolvimento dessas condições de saúde são:

  • Eventos marcantes/traumáticos;
  • Presença de alguma doença;
  • Variações hormonais;
  • Herança genética;
  • Dificuldade em lidar com estresses e pressões diárias;
  • Embaraços ao encarar as próprias condições políticas, econômicas e sociais.

Como a nutrição pode ajudar

As principais formas de se tratar a depressão e ansiedade se dão através do uso de fármacos prescritos e sessões de terapia. No entanto, está provado cientificamente que a nutrição também é de grande auxílio no combate à essas desordens emocionais.

É possível utilizar a nutrição de diferentes maneiras para trazer mais controle emocional, vou falar um pouco sobre aquelas que julgo que são as principais.

Uso de probióticos

Cada dia fica mais claro que nosso intestino é considerado um segundo cérebro, repleto de células neuronais, quando há desordens das bactérias que lá vivem, sentimos tanto desconfortos gástricos quanto emocionais.

Pesquisas recentes em humanos demonstraram que o uso desse tipo de produto, trouxe melhorias nas taxas de ansiedade. Já existem profissionais da saúde e eu me incluo nisso, que acreditam que em breve podermos tratar ansiedade e depressão através de modulações intestinais.

Consumo de alimentos ricos em triptofano

O triptofano é um aminoácido essencial, portanto de grande importância para o funcionamento do sistema nervoso, pois participa do processo de produção de serotonina, um neurotransmissor capaz de regular nosso sono e humor.

A manutenção dos níveis de serotonina pode ser mantida através da inclusão de alimentos que sejam fontes de triptofano na rotina alimentar. Os principais são: peixes, ovos, sementes oleaginosas (como nozes, castanhas, sementes de abóbora e linhaça), banana, tofu e chocolate amargo.

Ingestão de magnésio

Assim como o triptofano, o magnésio é de grande importância para nossa saúde mental. Esse mineral é considerado como um calmante natural, uma vez que regula a transmissão de impulsos nervosos aumentando a comunicação de neurônios e facilitando a ação de neurotransmissores.

Espinafre, sementes oleaginosas, abacate, iogurtes naturais, chocolate amargo, peixes de águas frias e banana são as melhores fontes desse mineral. Além da alimentação, a suplementação com magnésio também pode trazer resultados positivos.

E concluindo…

Ainda são necessárias uma série de medidas de saúde pública visando o bem-estar psicológico. Entretanto, é importante conscientizar a sociedade de que afecções emocionais como a depressão e ansiedade não são frescuras ou necessidade de chamar atenção e todo o apoio é importante.

Ouvir, aconselhar e ser paciente com amigos, parentes e familiares ansiosos e depressivos é fundamental para o reestabelecimento de saúde. Além disso, buscar apoio profissional de psiquiatras e psicólogos também é muito importante. E por fim, contar com um nutricionista de sua confiança também pode ajudar a manter a ansiedade e depressão sob controle. Ajude, seja apoio, já vivemos em mundo repleto de críticos.

Para ficar por dentro de novidades do universo da nutrição clínica, funcional, esportiva ou de temas de saúde político-sociais me siga no Facebook e Instagram.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: